Tag: relacionamentos

Os 10 tipos de pessoas que você deve evitar

Imagem ilustrativa de sapo em bicicleta de costas (Foto ilustrativa: Pixabay)
Para evitar algumas pessoas, o melhor é fazer as malas e partir (Foto: Pixabay)

Texto originalmente publicado no Portal NE10

Viver em comunidade é saber administrar as tretas. Com o pai, a mãe, o amigo, o vizinho e o chefe. Vale reforçar: os tempos não estão fáceis. As pessoas é que aprendem – na marra ou não – a resolverem seus dilemas com sabedoria. Quem manja da serenidade e plenitude que é aguentar as confusões aprendeu finalmente a pular as fogueiras sem sair chamuscado.

Ao longo desses anos, aprendi que evitar algumas situações e pessoas que nada nos acrescentam é o melhor a fazer se o que buscamos é sanidade mental. Fazer a egípcia, sair à francesa. Seja lá qual for a expressão, correr de gente que nos faz mal é essencial. Pensar um pouco mais em nós e não apenas nos outros. Faz um bem danado viu? Vem conferir os 10 tipos de pessoas que você deve evitar:

1. Egocêntricos

Vale lembrar que a lista não foi feita por ordem de maior chatice, mas, vem cá, gente egocêntrica é um pé no saco, né? É aquele tipo de pessoa que só sabe falar da vida dela. Num restaurante, por exemplo, precisa sempre ser o centro das atenções. Não deixa nem que o outro termine a frase. Há uma necessidade de falar sempre de si. Se você não tem a oportunidade de falar um pouco de você, do que adianta ser apenas ouvidos atentos para o outro?

2. Carentes

Há uma linha tênue que separa os grudentos, dos carentes e daqueles que gostam de carinho – tanto de dar, como de receber. Gente que demanda demais de carinho excessivo, que não respeita o espaço do próximo e que não consegue aceitar de maneira alguma que os outros têm sua própria maneira de expressar o afeto precisam levar um toque. Ou não. Vai saber…

3. Pessimistas

Não é frase de caminhão, mas bem que poderia ser: evite pessoas negativas. Elas sempre têm um problema para cada solução. Os pessimistas adoram melar todos os planos. Se você aparece com dez desfechos bacanas, eles têm onze obstáculos maiores. De energia negativa já basta os problemas do mundo, para que andar com gente que só consegue enxergar o mundo em preto e branco?

4. Quem te faz engolir sapos

É tão difícil explicar essa categoria que não tem nem um adjetivo específico. Mas vamos desenhar: se afaste de pessoas que te fazem engolir sapos diariamente. Nós não somos obrigados a deixar nada engasgado na garganta por ninguém. Esse tipo de pessoa geralmente diminui os próximos por insegurança, baixa autoestima e arrogância. Para que se manter por perto de gente assim?

5. Desprendidos

Se por um lado temos os carentes, do outro temos os desprendidos demais. Pense numa agonia. São aqueles que “não estão nem aí”. Autossuficientes, egoístas, desinteressados no próximo e mal resolvidos. Vou te dizer, são eles que andam espalhando por aí a falsa ideia do desapego. Preferem manter a aparência ‘cool’, demoram a responder mensagem, amam joguinhos doentios e por aí vai. Vixe, piores pessoas! Corre enquanto é tempo.

6. Vampiros

Mais conhecidos como vampiros, os sugadores de energia são difíceis de identificar. Mas se você prestar atenção direitinho, eles estão por todo lugar (e de dia também, viu?!). Uma mistura de várias categorias, é difícil segurar essa galera. Eles vivem reclamando de tudo, acabam com a festa do outro com comentários dispensáveis e arranjam tretas quase sempre desnecessárias.

7. Misteriosos

Claro que, ao iniciar novas relações, não precisamos entrar com tudo. Com o tempo, trocamos as informações necessárias para que o relacionamento floresça. Mas algumas pessoas têm o poder de confundir os outros com atitudes que não revelam nada sobre sua essência. É o famoso: “Você não sabe qual é a da pessoa”. Não sabe se confia, se desconfia, se deixa se entregar, se vai ou se fica. Não, obrigada. Passo.

8. Aqueles que desconhecem a empatia

Essa categoria é uma das piores, sem dúvida. Num mundo cheio de maldade, como aguentar alguém que não se solidariza com os problemas dos outros? Como querer estar por perto de alguém que não sabe o que é se colocar no lugar do outro? Deveria ser muito simples, um exercício de humanidade inerente ao indivíduo. Costumo pensar que deveríamos nascer ’empáticos’, mas parece que tem gente jogando fora essa qualidade…

9. Explosivos

Ter que pisar em ovos com pessoas explosivas é desgastante. As relações não devem ser baseadas no medo. Ficar receoso com possíveis explosões de pessoas temperamentais é se anular. Com o tempo, passamos a gastar nosso tempo com essas pessoas não por admiração e sim por obrigação. Não vale a pena (nem o risco)!

10. Manipuladores

Por último, mas não menos insuportáveis: os manipuladores. Se pararmos para pensar nos inúmeros recursos que os manipuladores usam para nos convencer de coisas que não fazem bem para nós – apenas para eles – precisariamos de uma outra lista. Se você considera que não tem a força suficiente para driblar as armadilhas dessas pessoas, o melhor é fazer suas malas e partir. Em busca de sua paz, você merece muito mais que isso.

Amar alguém não é uma desculpa

Amar alguém não dá carta branca para permitir indelicadezas. Precisa fazer sentido, a conta tem que bater (Foto: Pixabay)

Texto originalmente publicado em coluna do Portal NE10

Existe um senso comum de que quem ama tudo suporta. Tudo releva ou deixa passar. Na maioria das vezes, tapa os ouvidos, fecha os olhos ou prefere se calar. Há também quem espalhe a crença de que quem ama aceita preencher vazios, ocupar lacunas ou ignorar as falhas. Dizem por aí que quem ama, aceita todos os defeitos – assim mesmo, sem tirar nem por. Engole um monte de sapos e rebobina a fita quando o dia acaba. Tem jeito não, quem ama muito aguenta.

Quem ama, dá um jeitinho pra tudo. Tolera cara fechada ou mau criação. Esquece os erros passados e vive na torcida para que o acaso resolva os contratempos. Eu bem sei que quem ama vive de passar por cima. Das mágoas, dos medos, das angústias. Desconsidera todos os bloqueios e assim segue – tantas vezes pisando em falso. E digo mais: quem ama, perdoa. Uma vez, duas vezes, três vezes. Até perder a conta. E não é fácil, não.

Quem ama não mede esforços. Não segue regras e esquece a vergonha. Há quem pense que merece a rebordosa. Deixa sempre para lá. Se anima com qualquer sinal de atenção e até agradece aos Céus pelas raras manifestações de interesse. Quem ama, conta as horas para estar junto e quer estar sempre por perto. Eu sei que aqueles que amam se acabam em lágrimas por motivos sensatos. Mas esboçam um enorme sorriso por minúsculas atitudes.

Quem gosta de verdade permite tanta coisa – das mais amenas até as mais difíceis. Mais uma vez, a gente bem sabe que quem ama aguenta de tudo. Arranja desculpas, se agarra àquelas poucas boas lembranças, bota panos quentes nas confusões e morre de medo de perder o outro de vista. E assim, meio sem querer, quem ama, tantas e tantas vezes, entra em ciclos viciosos com inesgotáveis maneiras de se anular. Entende como é? Quem entra não sabe como sair e quem consegue se livrar não sabe explicar direito como conseguiu.

Eu nunca entendi muito bem como nós temos uma santa paciência com quem não exerce nenhuma diferença no nosso cotidiano, mas sabemos ser extremamente grosseiros com quem realmente importa. Amar alguém não serve como justificativa para aceitar tantas intempéries de um lado. Nem muito menos é motivo para descontar as nossas agonias em quem está sempre por ali. Quem realmente gosta termina concedendo tantos benefícios que esquece que

amar alguém não é uma desculpa…

… nem para um, nem para o outro. Não é uma justificativa para admitir maus tratos, tolerar os erros repetitivos e aceitar os vícios de cárater. Amar alguém não significa carta branca para permitir tantas indelicadezas. A conta não bate, não faz o menor sentido.

Outro dia fiquei extremamente irritada ao perceber como amar certas vezes cansa para caramba. Estava voltando para casa depois de uma rotina maçante, naquele momento que imaginamos não ter ninguém nos observando. Sentia uma enorme vontade de desistir de me contentar com as lacunas. Umas lágrimas teimosas que ardiam por demais me fizeram repetir inúmeras vezes: “Eu não mereço isso!”. O estresse não vale a pena.

Há uma crença que diz que, em certo momento, aqueles que amam desistem de se contentar com espaços vazios. Se desgastam com tantas meias conversas e se sentem extremamente esgotados com a tão comum impaciência que afasta as pessoas de bom coração. Vão procurar outros caminhos, buscar novas formas de acalentar a alma. Dizem por aí, e eu sigo acreditando fielmente nisto, que tem muita gente batendo em retirada, não por não amar mais – mas por não aguentar nem por outro minuto aquela insuportável sensação de se sentir difícil demais de ser amado.

Eu te deixo ser, me deixa ser também

Imagem de mulher pulando (Foto: Free Images)
Ter alguém apontando seus defeitos é como uma prisão sem grades ou uma força que te puxa quando você quer pular (Foto: Free Images)

Texto originalmente publicado em coluna do Portal NE10

Quando me questionavam o que mais me irrita nas relações humanas, eu sempre tinha uma resposta na ponta da língua: o desapego. Gente fria, conversa sem graça, desinteresse no próximo. Este trio realmente me entedia. Mas nos últimos tempos venho me deparando com algo que me desestabiliza ainda mais. É aquele grupo que não nos deixa ser. Assim como somos, com nossos defeitos, nossas virtudes e nosso jeitinho particular. A real? Gente que não me deixa ser.

Em outros tempos, eu tinha essa mania. Queria moldar os outros. Tinha frases feitas, sabia articular meus argumentos, sempre vencia uma briga. Não suportava que não pensassem como eu pensava. Queria ser justiceira. Escrever e ditar regras. Ser a líder do grupo, coordenando todas as ações. Queria estar em todos os lugares, organizar todas as tarefas para que tudo sempre saísse do meu jeito. Eu sabia convencer, desestruturar, tirar qualquer um do eixo. No fim do dia, eu me sentia vitoriosa – era uma super mulher, creiam: me imaginava sem defeitos.

Eu sabia falar bonito. Mas então descobri que muitos não concordavam com o poder das minhas palavras. Alguns se afastaram, outros me jogaram algumas verdades na cara, muitos nem tinham mais paciência para os meus discursos. Até que, no fim do dia, eu me sentia esgotada. Queria tanto convencer os outros da minha verdade que nem percebia que era eu quem precisava saber o que me faltava: deixar cada um ser e agir como quiser.

Deixar cada um ser e agir como quiser é tentar se preocupar um pouco mais com você. Olhar para dentro. Diz respeito a estar atento às suas atitudes, deixando o outro livre para fazer o mesmo – ou não. Dar conta dos nossos defeitos e das nossas angústias já é trabalho demais. Cuidar da vida dos outros é um fardo que não nos compete. Um exemplo? Escrever esta coluna já me rendeu diversos comentários maldosos. E, acreditem ou não, de pessoas que me conhecem bastante. “Você fala tanto que devemos ser felizes, mas ontem mesmo eu te vi mal humorada!”. “Eita, a tua coluna é assim: faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Realmente… devo ser uma falácia então.

Estar sob o radar das outras pessoas é viver na pressão. Dói demais. Hoje eu entendo. Dar justificativas, arrumar desculpas para nossas atitudes, ter medo de ser quem somos, reprimir nossos instintos ou precisar se adequar a comentários maliciosos. É muito pesado. Eu não preciso provar nada para ninguém. Odeio o jeito relapso de uma amiga, a constante falta de tempo de outra, o jeito dramático de muitos ou o temperamento tantas vezes egoísta de gente que convive ao meu redor. Posso dar uns toques aqui, outros acolá, mas será que nos cabe estar sempre apontando os defeitos do próximo?

Quem se conhece sabe. Chatice, egoísmo, temperamento forte, manias insanas. Aguentar nossos fracassos já é desgastante demais, será que precisamos de mais alguém nos empurrando de encontro ao abismo? Eu balanço a bandeira de que não precisamos de ninguém nos pressionando, apontando cada erro, qualquer tropeço. É quase como uma prisão sem grades. Uma mão invisível puxando a corda do seu balanço. Uma força que te puxa quando você quer mesmo é pular para bem longe.

Lá atrás, em meio a uma discussão uma amiga explodiu comigo. Eu queria argumentar, ela queria o silêncio. Enquanto eu forçava, ela soltou: “Me deixa em paz. Você sempre quer brigar. Será que não percebe que eu prefiro ficar calada?”. Então eu entendi que não adianta viver tentando fazer os outros enxergarem o nosso universo particular. Vamos afrouxar os nós, dar espaço, maneirar nos comentários! Ou respirar bem fundo quando alguém nos faz mal e entender que nem sempre assim agem conosco com más intenções. Faz tão bem receber o amor do próximo sem fazer comparações. Ou contar até dez antes de soltar uma observação que não acrescenta. E também não deixar ninguém te convencer a falar besteiras quando você já sabe que não tem nada interessante ou inteligente a dizer.

Gosto do time dos elogios. Quem coloca para cima, quem busca fazer uma crítica sempre enchendo a bola do próximo. Quem sabe ser sutil. É bom estar com pessoas que não vivem para nos testar – testar nossas atitudes, nossas palavras, nossas emoções. Gosto de quem me deixa ser. Vai, eu te deixo ser, me deixa ser também. 😉

Faça sua parte, pratique a empatia

Imagem de pessoa dando flores a outra pessoa (Foto ilustrativa: Pixabay)
Empatia é saber como ajudar apesar da vida corrida. Conseguir ser gentil, disposto, presente e atento (Foto: Pixabay)

Texto originalmente publicado em coluna do Portal NE10

Eu costumo acreditar que pequenos e grandes momentos sempre servem para nos ensinar algo sobre nós e também sobre os outros. Situações irrelevantes nos mostram como somos no íntimo, quando ninguém mais está vendo ou se importando. Parar na faixa, admirar a natureza quando o semáforo está fechado, decidir guardar o lixo na bolsa ao invés de jogar na rua. Já os períodos marcantes nos sinalizam como passaremos a agir em relação aos outros. Escutar até o fim quando desabafam conosco sobre os problemas, fazer uma ligação para quem está passando por uma situação difícil, optar por não rir quando alguém na turma é motivo de chacota.

Nas situações insignificantes aprendemos a lidar naturalmente com nossos medos, combatemos aos poucos nossas fraquezas e lutamos vagarosamente contra os nossos defeitos. São momentos do cotidiano que apenas nós vamos enfrentar. Sem o afago dos pais ou o carinho dos amigos. Nos momentos difíceis aprendemos não apenas a encarar nossos próprios problemas, mas também se voltar com certo cuidado para as dificuldades alheias. Não dói, não arranca pedaço e muito menos deixa nossa conta bancária no negativo. Ter empatia é o que quero dizer.

Lembro que, durante uma festa, me afastei um pouco das minhas amigas para sentar e descansar um pouco. Eis que senta ao meu lado uma menina, também sozinha. Bem mais nova que a minha pessoa, mas parecia tão sofrida quanto (risos). Mexia no celular, mandava mensagens, ensaiava o choro. Aquela situação me angustiava horrores – ela também estava com o coração partido.

Tomei coragem e disse algo do tipo: Isso vai passar. Você ainda vai viver muitos amores, pode ter certeza. Vai chorar muito, mas também vai sorrir bastante”. No final, depois de muita conversa e alguns conselhos, a moça se despediu contente. Tinha tomado coragem: ia tentar ser feliz. Ela saiu confiante e eu fiquei me sentindo importante.

Empatia é fazer sua parte mesmo que você se considere isento do problema. Afinal de contas custa nada ou muito pouco. É fazer perguntas mesmo que não esteja totalmente interessado nas respostas. É pensar duas vezes antes de tomar atitudes que tenham o mínimo de chance de magoar o próximo. É ser útil mesmo quando você não é extremamente necessário na resolução do problema. Empatia é parar e saber como ajudar apesar da vida corrida. Estar e conseguir ser gentil, disposto, presente e atento.

Empatia é muito mais do que se colocar brevemente no lugar do outro. É ficar no lugar dele por um tempo e entender suas inquietudes. Até estar pronto para estar ao lado de quem precisa nas horas mais confusas. Empatia é compreender onde o calo do próximo dói e quando o coração dele aperta. É, principalmente, não se esquivar de dores de cabeça que não são suas. É fazer pelo outro e também por respeito a você.

Empatia é algo que vem de dentro, com a maturidade, com as experiências insignificantes mas que fazem total sentido. Com fases marcantes, com a criação e, principalmente, com a noção que temos sobre nosso eu. Quem somos, quem queremos ser e quem não desejamos ser de forma alguma. Esta semana exerci a empatia com alguém que já foi de tudo nesta vida comigo, menos empático. E depois entoei um mantra pessoal: ‘cada um dá aquilo que tem’. No final, me senti bem! Afinal, empatia é uma daquelas coisas boas do mundo que quanto mais você distribui, mais rico você fica.

Precisamos falar sobre desapego

Desapego talvez seja aprender a desatar nós e compreender os laços (Foto: Pixabay)
Desapego talvez seja aprender a desatar nós e compreender os laços (Foto: Pixabay)

Texto originalmente publicado em coluna do Portal NE10

Eu pensava que seria só uma vez. Mas se repetiu. Pela segunda, pela terceira. Até que se tornou infinitas vezes. Aconteceu com outras, com outros. Com tanta gente. Se duvidar, aconteceu até comigo também. De repente, meus murais virtuais estavam lotados de textos vinculados a fotos de pessoas bem resolvidas, desprendidas, indiferentes. Meus feeds de notícias e imagens estão preenchidos, mas não é de amor, é de desinteresse. Mensagens que falam muito – mas muito pouco – sobre um tal de desapego.

Sim, nós precisamos falar sobre ele. Necessitamos urgentemente entender o desapego. Eu não entendo, talvez você não entenda. E muito provavelmente um bocado de gente está sem entender também. Mas sim, devemos e necessitamos urgentemente discutir o assunto. Precisamos falar sobre relacionamentos falidos, pessoas apáticas, papos egocêntricos, ciclos viciosos.

Precisamos conversar sem medo sobre paixões não correspondidas, diálogos frios, dores inexplicáveis e pés na bunda. Precisamos dizer o que sentimos mas, principalmente, deixar de fingir sensações que não nos pertencem. Precisamos sentir o luto, botar pra fora as angústias, procurar respostas e não desculpas. Devemos digerir nossas inseguranças, admitir nossos fracassos e deixar cair nossas lágrimas.

Sim, precisamos demais refletir sobre o desapego. Precisamos destruir uma corrente que não une, apenas separa. Precisamos tirar os celulares do modo avião, responder mensagens, deixar tudo claro, permitir que o outro siga em frente e evitar meias respostas. Precisamos e necessitamos parar de confundir maturidade com egoísmo. Precisamos urgentemente saber ir embora sem destruir o caminho que deixamos pra trás.

Precisamos e devemos conversar sobre desapego. Até que esteja bem claro não apenas nas nossas intenções, mas principalmente nos nossos gestos. Para isso, precisamos – e podemos – entender o que é o respeito com a dor do próximo, empatia com a tristeza do outro e paciência com os defeitos alheios.

Certa vez eu li que amar com desapego é deixar que nossos afetos sigam suas trilhas, mesmo que isso signifique lidar com a distância. É deixar ir, mesmo com a ilusão de que o outro vá ficar. É aprender a desatar nós e compreender os laços. Até que o vínculo seja tão forte que não haja uma necessidade inconsequente de posse.

Volto a dizer. Eu não entendo, você talvez não entenda e posso apostar que mais um tanto de gente fique sem entender também. Mas uma coisa é mais que certa: desapego, definitivamente, não é desinteresse. Pouco tem a ver com desprendimento ou indiferença. Precisamos urgentemente falar sobre ele. Até que entendamos que desapego não é desamor. É aprender a ter consciência – não só de si, mas principalmente do outro.