Relacionamentos abusivos deixam marcas que não se resolvem na terapia, não cessam com antibióticos e não se curam instantaneamente nem com muita oração (Foto: Pixabay)

Texto originalmente publicado no Portal NE10

* Sugestão da autora: ler o texto ao som de Back to Black, de Amy Winehouse

Quando eu era adolescente, imaginava que para um relacionamento ter fibra, ele precisava ser um pouco descontrolado. Acreditava que brigas desrespeitosas por ciúme, discussões em público e puxões de braço eram demonstrações de amor. Achava que sexo para fazer as pazes, mesmo que as arestas não fossem ajustadas, era o máximo. Sabe como é, né? O combustível para a explosão. Sim, eu acreditava. Era isso que eu lia nos livros e era exatamente assim que as relações ao meu redor se baseavam.

Quando eu era adolescente, imaginava que o papel da mulher era aceitar as traições, desde que o marido voltasse para a casa pedindo mil desculpas. E, no fundo, eu sabia que quando eu crescesse terminaria aceitando não apenas um deslize, mas quantos quer que fossem. Porque quem ama, perdoa. Era o que eu pensava. E não me culpo por isso. Foi desta forma que me mostraram a vida, mesmo que eu quisesse, bem lá no íntimo, que tivesse sido diferente.

Quando eu era adolescente, vejam bem, eu achava que gritos e berros eram excitantes, porque assim mostravam que existia química entre o casal. Que sexo forçado, no fim das contas, podia ser até estimulante, ah, vai lá, fazia parte das preliminares! Sim, era isso o que eu pensava. Era o que as novelas na televisão me mostravam e os filmes no cinema insinuavam. Não me culpo por isso, foi assim que aprendi e foi dessa forma, infelizmente, que deixei meu ser incorporar diversas falsas crenças.

E então eu cresci. O primeiro empurrão veio e eu não achei nada bonito. A primeira discussão em público também chegou e eu não achei graça. O sexo para fazer as pazes nunca vinha acompanhado de uma boa e respeitável conversa que deixasse ambos os lados satisfeitos. Na verdade, o gosto que ele deixava no final era bem amargo. E fui permitindo, como imaginava na adolescência, diversos deslizes simplesmente porque acreditava que o amor vive de segundas, terceiras, quartas chances…

Se já era difícil digerir quantas e quantas coisas fui capaz de fazer por amar demais, nestas últimas semanas, surreal para nós mulheres, me vi forçada a encarar fantasmas que continuam nos assombrando. Sabe por que? Porque eles são reais. E estão mascarados de homens que nos julgam, nos assediam, nos humilham, nos enganam, nos manipulam e nos batem. Homens que nos confundem, nos deixam sem chão, nos abandonam e deixam sequelas profundas – muitas vezes na alma, outras tantas vezes no corpo. Homens que nos matam: no sentido figurado e literal. Homens que seguem livres e soltos, com a consciência tranquila e intacta. Vida que segue, é o que eles dizem, acredita?

São traumas que seguimos levando todos os dias, empurrando para debaixo do tapete. Marcas que não se resolvem na terapia, não cessam com antibióticos, não se curam instantaneamente nem com muita oração. São traumas que viram doenças – feridas que sangram bem lá dentro, no fundo da alma. E muitas vezes não se fecham. Nestas últimas semanas já ouvi e li de tudo. Na minha timeline apareceu o que você puder imaginar: ‘ela mereceu’, ‘devia ter denunciado logo’, ‘ela também não presta’, ‘ele devia estar drogado’, ‘nunca foi a conduta dele’, ‘não está sendo fácil para ele’, ‘os dois estão errados’. Justificativas para disfarçar um tumor bem mais maligno do que a gente pode dimensionar, sabe?

No meu feed também surgiram diversos relatos e reflexões de pessoas que nada agregam à luta – inclusive abusadores reais. Gente que não se importa com quem vive em um relacionamento abusivo. Homens que não entendem e nem querem entender onde erraram e nem sequer se esforçam para mudar. Eles continuam os mesmos. Saca só: eles só querem parecer que se importam. Bancar o bacana ajuda nos likes, deixa todo mundo bem na fita. Pessoas que realmente não se interessam se seus comportamentos babacas devastam a vida de mulheres que todo santo dia perdem um pouco mais: da voz, da dignidade, da autoestima, da vida. Todo dia eu lembro o quanto eu morri por dentro a cada 24 horas e quanto eu precisei lutar para renascer a cada dia.

Então eu estou aqui para te dizer, mana, que está tudo bem não perdoar quem te fez mal para car*lho. Tá tudo bem sentir raiva, não precisa relativizar a culpa. Tá tudo bem bloquear, denunciar, colocar a boca no trombone. Tá tudo bem, viu? Texto nenhum no Facebook vai te fazer esquecer cada noite mal dormida. Nem vai passar uma borracha em cada agressão física, verbal, psicológica e sexual. Tá tudo bem não cumprimentar na rua, não querer conversa ou desfazer os laços com quem foi conivente. TÁ TUDO BEM. Tá tudo bem desconstruir os falsos discursos moralistas. Isso, mana, vai lá, denuncia qualquer postagem ofensiva. Pode até entrar em briga por outras amigas. Tá tudo bem esfregar na cara, deixar bem claro para quem te magoou o porquê de não aceitar tamanha babaquice. Não é teu trabalho passar a mão na cabeça não, fica tranquila.

Eu estou aqui para te dizer que está tudo bem se negar a ser complacente com pessoas que só sabem compartilhar textos para reflexão, mas não têm a decência de se colocar no lugar do outro. Tá tudo bem dizer para que todos eles segurem a onda. Tá tudo bem pedir para não se meterem na nossa luta se eles não sabem – nem se importam em saber – o que é estar desse lado da batalha. Mana, fica de boa, tá mais do que tranquilo não deixar que escancarem mentes hipócritas. Tá tudo bem chorar, colocar para fora o que te fez mal. Tá tudo bem procurar seus direitos, olhar um pouco mais para dentro, ficar um tempo sozinha. Tá tudo bem se sentir morta para então renascer.

Só não pode se culpar…

… nem deixar que tirem por menos as inúmeras características de relações destrutivas – seja com marido, namorado, ficante, rolo, romance ou lance. Só não pode esconder tuas dores por vergonha do que vão falar. Nem relevar ‘práticas absurdas’ por pura conivência. Nem muito menos permitir que tirem a tua voz. Não deixa não, mana, que romantizem um relacionamento abusivo. Até porque a gente sabe que isso não é amor. É como uma doença, quase um vício.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *