Imagem de pessoa dando flores a outra pessoa (Foto ilustrativa: Pixabay)
Empatia é saber como ajudar apesar da vida corrida. Conseguir ser gentil, disposto, presente e atento (Foto: Pixabay)

Texto originalmente publicado em coluna do Portal NE10

Eu costumo acreditar que pequenos e grandes momentos sempre servem para nos ensinar algo sobre nós e também sobre os outros. Situações irrelevantes nos mostram como somos no íntimo, quando ninguém mais está vendo ou se importando. Parar na faixa, admirar a natureza quando o semáforo está fechado, decidir guardar o lixo na bolsa ao invés de jogar na rua. Já os períodos marcantes nos sinalizam como passaremos a agir em relação aos outros. Escutar até o fim quando desabafam conosco sobre os problemas, fazer uma ligação para quem está passando por uma situação difícil, optar por não rir quando alguém na turma é motivo de chacota.

Nas situações insignificantes aprendemos a lidar naturalmente com nossos medos, combatemos aos poucos nossas fraquezas e lutamos vagarosamente contra os nossos defeitos. São momentos do cotidiano que apenas nós vamos enfrentar. Sem o afago dos pais ou o carinho dos amigos. Nos momentos difíceis aprendemos não apenas a encarar nossos próprios problemas, mas também se voltar com certo cuidado para as dificuldades alheias. Não dói, não arranca pedaço e muito menos deixa nossa conta bancária no negativo. Ter empatia é o que quero dizer.

Lembro que, durante uma festa, me afastei um pouco das minhas amigas para sentar e descansar um pouco. Eis que senta ao meu lado uma menina, também sozinha. Bem mais nova que a minha pessoa, mas parecia tão sofrida quanto (risos). Mexia no celular, mandava mensagens, ensaiava o choro. Aquela situação me angustiava horrores – ela também estava com o coração partido.

Tomei coragem e disse algo do tipo: Isso vai passar. Você ainda vai viver muitos amores, pode ter certeza. Vai chorar muito, mas também vai sorrir bastante”. No final, depois de muita conversa e alguns conselhos, a moça se despediu contente. Tinha tomado coragem: ia tentar ser feliz. Ela saiu confiante e eu fiquei me sentindo importante.

Empatia é fazer sua parte mesmo que você se considere isento do problema. Afinal de contas custa nada ou muito pouco. É fazer perguntas mesmo que não esteja totalmente interessado nas respostas. É pensar duas vezes antes de tomar atitudes que tenham o mínimo de chance de magoar o próximo. É ser útil mesmo quando você não é extremamente necessário na resolução do problema. Empatia é parar e saber como ajudar apesar da vida corrida. Estar e conseguir ser gentil, disposto, presente e atento.

Empatia é muito mais do que se colocar brevemente no lugar do outro. É ficar no lugar dele por um tempo e entender suas inquietudes. Até estar pronto para estar ao lado de quem precisa nas horas mais confusas. Empatia é compreender onde o calo do próximo dói e quando o coração dele aperta. É, principalmente, não se esquivar de dores de cabeça que não são suas. É fazer pelo outro e também por respeito a você.

Empatia é algo que vem de dentro, com a maturidade, com as experiências insignificantes mas que fazem total sentido. Com fases marcantes, com a criação e, principalmente, com a noção que temos sobre nosso eu. Quem somos, quem queremos ser e quem não desejamos ser de forma alguma. Esta semana exerci a empatia com alguém que já foi de tudo nesta vida comigo, menos empático. E depois entoei um mantra pessoal: ‘cada um dá aquilo que tem’. No final, me senti bem! Afinal, empatia é uma daquelas coisas boas do mundo que quanto mais você distribui, mais rico você fica.